Verbetes:
adaptação às mudanças climáticas
albergue
amolador
analfabetismo-alfabetização
andarilho
aprender-ensinar
aquecimento global
arruaça
arruaceiro
artista
artista de rua
assentamento
aterro sanitário
auxílio moradia
bairro
bairro-educador
bairro-escola
benevolo, leonardo (1923-)
bicicletário
bicicletário (foto)
bifobia
bilhete único
bonde (foto)
buzinaço
calçada
calçadão
camelô
cão e urbanidade
cartilha
casa
casa e corrida (foto)
catador
censo
centro
centro de estudos da metrópole
centro, revitalização (foto)
ciber
ciberbullying
cibercondria
cibercultura
ciclista, ciclofaixa (foto)
cidad-e
cidadania
cidadão
cidade
cidade dormitório
cidade escola
cidade global
cidade-alfa
cisgÊnero
coletivo
comércio ilegal
comunidade
comunidade
condomínio
condomínio de luxo
condomínio fechado
condomínio horizontal
congestionamento (foto)
container de lixo (foto)
contrabando
conurbação
corpografia
corrupção
cortiço
crime
crônica urbana
cultura e espaço
denúncia
denuncismo
desastre natural
disciplina
domicílio
droga
elevado
enchente
escola
escola de samba
espoliação urbana
estelionato
eutopia
exclusão espacial
favela
favela
favelização
feminismo
flanelinha
fobia
forma escolar
fragmentação econômica
fragmentação espacial
fragmentação social
furto
gari
globalization and world cities research network (gawc)
guardador de carros
habitante
hídrico
história da cidade (livro)
homicídio
ignorância
inclusão espacial
instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge)
integração (transporte)
internetês
invasão
ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
janelas
laboratório de estudos urbanos
lagoa
lagoa (foto)
lambe-lambe
largo
lembranças escolares
lesbofobia
lixão
lixeiras (foto)
lixeiro
lixo
lote
loteamento
machismo
malabar
mancha urbana
manifestação
marginal
marginalidade
megalópole
memória metálica
mendigo
metrópole
metrópole (foto)
metrópole e cultura
metrópole e tráfego (vídeo)
metropolização
ministério da saúde
ministério das cidades
ministério do trabalho e emprego
mitigação das mudanças climáticas
mobilidade
mocambo
monumento
moradia
morador
movimento pendular
mudança climática
mulher
município
município
muro
nômade
observatório das metrópoles
ocupação
organização mundial da saúde (oms)
organizador local
panelaço
panfleteiro
patrick geddes
pedestre
pedinte
periferia
pesquisa nacional por amostra de domicílios (pnad)
pet
pipoqueiro
pirataria
polícia
polissemia
população em situação de rua
população residente
praça
praça adotada
praça de alimentação
praça histórica (foto)
praça identitária
praça seca
praça seca (foto)
prisma faces entrelaçadas
puxadinho
região metropolitana
rodovia e região metropolitana (foto)
romeiro
roubo
rua
ruão
ruído urbano
saber urbano e linguagem
saltimbanco
santidade
saúde (na constituição)
segurança pública
sem-carro
sinaleiro
solo urbano
sorveteiro
subúrbio
telecentro
trabalho informal
tráfego (foto)
tráfico
transeunte
transfobia
transporte
transporte aquaviário
transporte ferroviário
transporte rodoviário
transporte urbano
trecheiro
utopia
vadia
vagabundo
varredor
vazio urbano
viaduto

forma escolar

Mariza Vieira da Silva


Forma escolar é um conceito que aparece no fim dos anos 1970, na França, em trabalhos conduzidos de uma perspectiva sócio-histórica, visando compreender como, na Idade Moderna, estrutura-se um determinado projeto político-pedagógico, rompendo, assim, com uma historiografia presa a etimologias, à hagiografia, a uma concepção teleológica de educação. A forma escolar é compreendida como uma configuração sócio-histórica particular que se constrói a partir do século XVI, nas sociedades europeias, ligada a uma reorganização do campo político e religioso, à instauração de uma ordem urbana, que exigia o estabelecimento de novas formas de relação social entre sujeitos de diferentes grupos sociais, a aprendizagem de formas de exercício do poder. (Vincent, Lahire e Thin, 1994).

Essa configuração escolar se organiza, sobretudo, pela construção de um espaço escolar e de um tempo escolar, estruturados pela linguagem, pela cultura do escrito, que começava a se impor em detrimento da oralidade. A Escola passa a ocupar um espaço específico, distinto do espaço ocupado para a realização de outras práticas sociais como as familiares, as religiosas; e vai se estruturar em torno de um projeto pedagógico (e político), sustentado pela existência de saberes objetivados, que alteram os processos de transmissão do saber, da divisão do trabalho.

A forma escolar institucionaliza, pois, via uma instituição específica e autônoma, a transmissão de conhecimentos organizado em conteúdos, currículos, disciplinas, métodos, materiais, produzindo um saber-fazer próprio: uma escola graduada e organizada por classes de alunos com o mesmo nível de conhecimentos e competências, com avaliações regulares, visando à inclusão de toda população em uma sociedade dada, regida pelo jurídico e pela moral. Um professor ensinando as mesmas coisas, ao mesmo tempo, para a mesma classe.

Organiza-se também, o tempo como horário, a partir do qual se estabelece o dia-a-dia escolar e, consequentemente, o da família, o do trabalho, nas cidades: frequência, pontualidade, assiduidade. Um percurso do ensinar-aprender se configura assentado em um tempo da vida, distribuído em etapas, em classes, em séries, em anos de escolarização. Um tempo que transcorre entre a tradição a transmitir e o novo a emergir entre diferentes gerações: a do mestre que ensina e a da criança e jovem que aprendem.  

Nesse processo, transforma-se a criança, o aprendiz, em aluno, ou seja, constitui-se uma posição de sujeito: a do sujeito urbano escolarizado; bem como a de sua contraparte necessária, a de sujeito professor, que ensina, através de um sistema de regras relativas a saberes e a comportamentos. A escolarização das crianças nos centros urbanos torna-se, pois, um empreendimento de ordem pública, que cria condições para que o sujeito saiba viver na cidade e se submeta, livremente, ao Estado. Não uma submissão a pessoas, mas a regras comuns para todos no cotidiano escolar, pautadas por uma razão universal (Vincent, Lahire e Thin, 1994).

Mas, como não há ritual sem falhas (Pêcheux, 1990), as diferentes formas, que essa configuração vai adquirindo ao longo da história, evidenciam que os sujeitos resistem a essa domesticação e controle do espaço e do tempo, em um trabalho contraditório entre repetir e transgredir as regras, entre o conhecido e o desconhecido, entre o mesmo e o diferente, entre a paráfrase e a polissemia, criando condições para simples reformas ou para transformações estruturais.

Essa forma escolar, móvel e dinâmica o suficiente para permanecer, constrói marcas espaciais e temporais na tessitura da memória individual e social.

A forma escolar de socialização é forte porque tende - até pela força subjetiva da memória  a captar todos nós. De alguma maneira, mesmo os estudantes universitários, dispostos em salas de aula, costumam ocupar – quase invariavelmente – os mesmos lugares onde haviam se sentado no dia anterior, na semana anterior, no mês anterior, nos anos anteriores. Embora ninguém lhe houvesse prescrito um local específico obrigatório para sentar-se, o jovem universitário incorporou de tal maneira, a “forma escolar de socialização” (Vincent, 1994), que, não raro, podem-se se observar amizades feitas e mantidas (por vezes feitas e mantidas durante todo o período de vigência de cursos de graduação) entre dois indivíduos que, por mero acaso, sentaram-se juntos, pela primeira vez, no primeiro dia de aula; e mantiveram-se juntos, distantes dos que deles estavam sentados longe... (Boto, 2003, p. 385).

No Brasil, a partir da segunda metade do século XIX, é que se inicia a construção de uma configuração histórica particular em termos de processo de institucionalização da escola primária, considerando “um espaço físico-arquitetônico e as temporalidades múltiplas nela vivenciadas” (Faria Filho & Vidal, 2000, 21). (Ver Grupo escolar)

A forma escolar tem uma historicidade a compreender, a significar, quando se estuda a história da educação, os processos de escolarização de uma Nação. O conhecimento, o espaço e o tempo não são neutros e transparentes, indiferentes à conjuntura social e política, a uma exterioridade que produz as demandas para a educação. Podemos dizer, então, que ela é uma forma material que toma o discurso pedagógico, definido como “efeito de sentidos entre locutores” (Pêcheux, 1990a).

 

Referências bibliográficas

BOTO, C. A civilização escolar como projeto político e pedagógico da modernidade: cultura em classes, por escrito. In: Cad. Cedes, v. 23, n. 61. Campinas, dez, 2003, 378-397. Disponível em : http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 10.09. 2014.

FARIA FILHO, L. M & VIDAL, D. G. Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. In: Revista Brasileira de Educação, n. 14. Mai/Jun/Jul/Ago 2000, 19-34. Disponível em : http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a03 . Acesso em novembro de 2014.

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Trad. José Horta Nunes. In: Cadernos de Estudos Linguisticos, n. 19. Jul./dez. 1990, 7-24.

PÊCHEUX, m. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, F. & HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethânia Mariani et al. Campinas, SP : Editora da Unicamp, 1990a, 61-162.

VINCENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. Sur l’histoire et la théorie de la forme scolaire. In; VINCENT, GUY (Org.) L’Éducation prisonnière de la forme scolaire? Scolarisation et socialisation dans les societies industrielles. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, 1994, 11-48.