Verbetes:

adaptação às mudanças climáticas

Claudia Pfeiffer


Há, dentro do discurso sobre as mudanças climáticas, um par de termos que anda quase que invariavelmente juntos: mitigação/adaptação. Se a mitigação incide nas ações que buscam diminuir a emissão de gases de efeito estufa (GEE), a adaptação incide em iniciativas e medidas para reduzir a vulnerabilidade dos sistemas naturais e humanos frente aos efeitos atuais e esperados da mudança do clima (BRASIL, 2009b).

Como se vê, trata-se de um termo que, assim como aqueles que o acompanham (mitigação, aquecimento global, mudanças climáticas), é muito presente em políticas públicas em uma relação constitutiva com o discurso da ciência.

Para se compreender um pouco mais como funciona o processo de significação de adaptação no discurso sobre as mudanças climáticas podemos observar ao lado do que este termo comparece quando é acionado pelo discurso de Estado.

Conforme o Plano Nacional de Mudança do Clima, as propostas e deliberações das ações foram divididas setorialmente em Mitigação, Adaptação, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e Educação e Cidadania Ambiental (BRASIL, 2008).

Cabem à linha de mitigação os temas de florestas, agropecuária, energia, resíduos, edificações, indústria, e transporte; e à linha de adaptação os temas de saúde, recursos hídricos, zona costeira e marinha, agropecuária, assentamentos humanos, e ecossistemas naturais. Em relação às linhas de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e educação e cidadania ambiental, estas poderão ser trabalhadas em todos os temas (BRASIL, 2008).

Assim, a adaptação é acompanhada da mitigação que são acompanhadas pela pesquisa e desenvolvimento tecnológico e pela educação e cidadania ambiental.

Várias discursividades estão presentes, reverberando sentidos: a do Estado, materializada no discurso da política pública; a da ciência, sustentando os argumentos que justificam as linhas de atuação; a da educação, promovendo um lugar privilegiado para a circulação de sentidos que devem se tornar públicos e compartilhados por um número grande da população do Estado sob o argumento da cidadania – discurso de pertencimento ao Estado próprio da revolução burguesa do século XVIII.

Nesta discursividade sobre as mudanças climáticas, em que a adaptação entra como uma das estratégias chave, o entendimento é de que este fato representa um dos principais desafios a serem enfrentados pela comunidade internacional.

Nesta relação entre uma política nacional e internacional, é dado como suposto que a contribuição humana à acumulação de gases causadores do efeito estufa (GEE) na atmosfera, sobretudo em decorrência da queima de combustíveis fósseis iniciada com a Revolução Industrial, gera interferência no sistema climático.

O enfrentamento deste problema, que tem a adaptação como um dos eixos norteadores, vem recorrendo a dois fundamentos: a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) e o Protocolo de Quioto.

O objetivo último da Convenção é o de alcançar a estabilização das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera em nível que impeça uma interferência antrópica (humana) perigosa no sistema climático. A Convenção também busca estimular e desenvolver medidas de adaptação frente aos impactos da mudança do clima.

Estas medidas de adaptação buscam, fundamentalmente, minimizar as vulnerabilidades das populações (flora, fauna, incluso o homem) frente aos impactos da mudança do clima.

 

 

Bibliografia Consultada

BRASIL. Governo Federal. Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima. Plano Nacional de Mudança do Clima – PNMC – Brasil. Brasília, 2008.

BRASIL. Lei n. 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. Edição Extra, Seção 1, p. 109. Brasil, 2009.

BRASIL. Portaria n. 3.252, de 22 de dezembro de 2009. Aprova as diretrizes para execução e financiamento das ações de Vigilância em Saúde pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios e dá outras providências. Ministério da Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 de dezembro de 2009. Seção 1, p. 65. Brasil, 2009b.

BRASIL. Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima (Decreto nº 6.263, de 21 de novembro de 2007) Plano Nacional sobre Mudança do Clima – PNMC – Brasil. Brasília, dezembro de 2008

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes. Contribuição da pós-graduação brasileira para o desenvolvimento sustentável: Capes na Rio+20 / Brasília : Capes, 2012.

BRASIL. MMA/MEC. Programa Nacional de Educação Ambiental. 3ª.edição. 2005

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Orientações sobre o consumo consciente e propostas para redução de sacolas plásticas pelos consumidores. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/234 /_arquivos/cartilha_3___consumidores_234.pdf.

Documento Zero - Organização das Nações Unidas – O futuro que queremos. (Apresentado pelos Co-Presidentes em nome do Departamento de acordo com a decisão tomada na Prepcom 2 para apresentação do esboço inicial do documento de resultados para análises por parte dos Estados-Membros e outros stakeholders no máximo até o início de janeiro de 2012.)

HENRY, P. “A história não existe?” IN: ORLANDI, E. P (Org.) [et al.]. Gestos de leitura: da história no discurso. Trad. Bethânia Mariani... [et al.] Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1994, p. 29-54

LAGAZZI, S. “Delimitações, inversões, deslocamentos em torno do Anexo 3”. Lagazzi, S., Tasso, I., Romualdo, E. (orgs) Estudos do texto e do discurso. São Carlos: P&J Editores, 2013.

LUCCAS, Tainá; GONÇALVES, Michele; PESTANA, Fernanda; DIAS, Susana “Por outros universos sensíveis... vida e tempo proliferam e(m) rasgos”. Zullo Jr., J. Livro Alcscens. Unicamp, 2014

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. Trad. Freda Indursky. Campinas: Pontes, 1989.

MARIANI, B. Imprensa de 1930 e memória histórica: uma questão para a análise do discurso. Dissertação de mestrado apresentada ao IEL/Unicamp. 1988.

___________. “Silêncio e Metáfora, algo para se pensar”. II SEAD, 2005.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1988.

_____________. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: UNICAMP, 1992

_____________. Para uma enciclopédia da cidade. Campinas: Pontes, 2003.

_____________. Os Recursos do Futuro: um outro discurso. Revista Multiciência, no.1, outubro de 2003, p.1-7.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi... [et al.] Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1988.

___________. (1983). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas, Pontes, 1990.

___________. (1981) A língua inatingível; o discurso na história da lingüística. Campinas: Pontes, 2004.

PFEIFFER, C.; SILVA, M. V. da. “Pedagogização do espaço urbano” In: RUA [online]. 2014, no. especial 20 anos, Volume 2, ISSN 1413-2109.

PFEIFFER, C. “As mudanças climáticas divulgadas – instrumentos políticos de circulação da ciência”. Zullo Jr., J. Livro Alcscens. Unicamp, 2014.

SILVA, M. V. da As cartilhas na sociedade do conhecimento. Entremeios: revista de estudos do discurso. No. 8. Pouso Alegre, MG: Univás, jan/2014.

Palavras-chave:

estado
  -cidadania
  -tráfico
  -mudança climática
  -aquecimento global
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
  -mitigação das mudanças climáticas

cidadania
  -cidadania
  -cidadão
  -cidade
  -município
  -bairro
  -favela
  -invasão
  -ocupação
  -cortiço
  -comunidade
  -morador
  -habitante
  -moradia
  -casa
  -centro
  -subúrbio
  -periferia
  -marginal
  -marginalidade

educação
  -aprender-ensinar
  -bairro-educador

política pública

gestão urbana

ciência
  -aquecimento global
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
  -mitigação das mudanças climáticas

mudança climática

aquecimento global
  -mudança climática
  -aquecimento global
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
  -mitigação das mudanças climáticas

catástrofe
  -mudança climática
  -aquecimento global

mitigação
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
  -mitigação das mudanças climáticas

adaptação
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
  -mitigação das mudanças climáticas

eventos extremos
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)
  -mitigação das mudanças climáticas

organismos internacionais
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)

IPCC
  -ipcc (painel intergovernamental sobre mudanças do clima)

gestão pública




Noções: