A escrita subversiva de “n. d. a.”: um corpo desgarrado e grotesco

The subversive writing of "n. d. a. ": a stray and grotesque body

João Batista Costa Gonçalves*
Marcos Roberto dos Santos Amaral**





     

Resumo:

A escrita compreendida conforme deriva estrutural que dissemina sentidos através do deslocamento de relações entre fontes e marcas escriturais configura uma problematização de concepções logocêntricas do ato de escrever e sua legibilidade, as quais se fundamentam, sobretudo, em noções de representação, identidade, autoria e tessitura textual canônica. Nesse sentido, problematizaremos, neste artigo, como a escrita de “n. d. a.”, de Arnaldo Antunes, estrutura-se por relações de sentido que dispensam imperativos de criação que rastreiem uma fonte produtora e um sentido estável, por meio da assunção de imagens do realismo grotesco (BAKHTIN, 1987). Para tanto, fundamentamo-nos em Derrida (1972), especificamente, quando trata da questão da escritura como marca em deriva e da relação dessa questão com a da assinatura; e Bakhtin (1987), quando trata do princípio material e corporal da cultura cômica popular. Enfim, pretendemos indicar que as relações escriturais desconstrutoras características das poesias de “n. d. a.” tecem-se pelo descentramento de práticas de produção discursiva pautadas em relações de sentido reduzidas à identificação de intenção autoral a um texto e à organização de formas discursivas referenciais e objetivas.
Palavras Chave: Marca; Derrida; Realismo grotesco; Bakhtin; “n. d. a.”.



Abstract:

The writing understood according to structural drift which disseminates meanings through the displacement of relations between scriptural sources and marks constitutes a problematization of logocentric conceptions of the act of writing and its readability, which are based, above all, on notions of representation, identity, authorship and canonical textual arrangement. In this sense, we will problematize, in this article, how the writing of "n. d. a "by Arnaldo Antunes, is structured by relations of meaning that dispense with imperatives of creation that trace a productive source and a stable sense through the appearance of images of grotesque realism (BAKHTIN, 1987). For this, we are based on Derrida (1972), specifically, when he treats the issue of the writing like mark in drift and the relation of that question with the one of the signature; and Bakhtin (1987), when it deals with the material and corporal principle of the popular comic culture. Finally, we intend to indicate that the deconstructive scriptural relations characteristic of the poems in the book "n. d. a” are woven by the decentering of discoursive production practice based on reduced relations of meaning to the identification of authorial intention and on the organization of referential discoursive forms and objective ones.
Keywords: Mark; Derrida; Grotesque Realism; Bakhtin; “n.d.a”





Para citar essa obra:
GONÇALVES, João Batista Costa; AMARAL, Marcos Roberto dos Santos; A escrita subversiva de “n. d. a.”: um corpo desgarrado e grotesco. In: RUA [online]. Volume 25, número 1 - e-ISSN 2179-9911 - Junho/2019. Consultada no Portal Labeurb – Revista do Laboratório de Estudos Urbanos do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade.
http://www.labeurb.unicamp.br/rua/


DOI: https://doi.org/10.20396/rua.v25i1.8655547

--------------------------------------------------------------------

*Professor adjunto IX da Universidade Estadual do Ceará ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4386-8809. E-mail: jbcgon@ig.com.br.
**Doutorando em Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da UECE - PosLA-UECE ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8130-4580. E-mail: roberto.amaral@aluno.uece.br.